Como fazer a introdução do TCC? Confira a maneira correta

A primeira coisa a ter em mente é que todas as introduções são iguais, então, possuem os mesmos elementos. Muitos estudantes ficam perdidos nessa etapa da produção, por não receberem as informações corretas de seus orientadores. Para sua sorte, estou aqui e vou te passar o roteiro para fazer uma boa introdução.

Começando os trabalhos

Em suma, essa parte do seu trabalho tem a mesma estrutura, não apenas para o projeto final, como também para o pré-projeto, com os seguintes tópicos: contextualização, justificativa, problema de pesquisa, objetivos gerais e específicos e a metodologia. Elas devem estar conectadas e situar o leitor do que seu texto irá conter.

No pré-projeto, uma breve apresentação de sua pesquisa é a introdução, esses tópicos acima são elementos separados. Ali você informa seu tema, conta uma história sobre aquilo. De fato, uma contextualização para inserir seu leitor naquele ambiente.

Já no projeto final, a introdução é o conjunto de todos esses tópicos como um corpo só, com o acréscimo opcional de capítulos. Sendo assim, sugiro aos meus alunos que iniciem a pesquisa delimitando, e já escrevendo, a estrutura básica que contém o problema, o objetivo geral e os específicos e o tema definido. Desse modo, você já terá cinco elementos da sua introdução, poupando tempo e aumentando produtividade.

O que dizer em minha introdução?

Então, seguindo os tópicos, a contextualização apresenta seu tema, situa o leitor, destaca desde quando é pesquisado e porque é utilizado. Siga com o porquê seu tema é importante no contexto geral. Também diga o que você busca responder em seu trabalho e quais objetivos, relatando sua metodologia, fontes referenciais, como os resultados são abordados e o tipo de pesquisa. Pronto, essa é a sua introdução.

Em meus trabalhos, eu acrescento a estrutura dos capítulos, dizendo resumidamente o que terá em cada um deles. Isso é opcional, mas é outra ajuda para situar melhor o leitor e ganhar pontos com orientador e banca. Se possível, dê uma chance.

Uma introdução diz muito sobre o trabalho ser bom ou ruim, se vale a aprovação ou não. Portanto, siga os passos citados aqui e inicie seu texto da maneira correta. 

Quer saber mais sobre isso, clique aqui e confira um vídeo que preparei para o meu canal no Youtube sobre introdução de TCC na prática. Aproveite e se inscreva por lá para receber mais dicas valiosas e passar para o lado dos aprovados.

 

Abraço,

Professor Amilton Quintela.

Como começar o referencial teórico

Todo trabalho acadêmico precisa ter uma sustentação teórica, uma base científica. Às vezes, é normal se assustar diante de um mundo de artigos, livros e teses. Assim, minha função é encurtar seu caminho rumo a aprovação, aprenda aqui tudo sobre referencial teórico.

Nessa parte do trabalho, você vai apresentar todos os conceitos chave da sua pesquisa. Por exemplo, vamos supor que seu TCC fale sobre marketing digital e o comportamento do consumidor, no referencial teórico terá a explicação de seu tema, quando começaram os estudos sobre isso, o que é importante ressaltar, etc.

A principio, antes de sair lendo todos os conceitos e definições, o ideal é que você determine seu tema, encontre o problema da sua pesquisa, o objetivo geral e os específicos. Afinal, não adianta pesquisar referencial teórico com o tema ainda muito amplo. Portanto, após esses passos, vamos ao que importa.

Faça sua pesquisa acadêmica

Primeiramente, separe os conceitos chave do seu trabalho. Abra uma plataforma de pesquisa acadêmica online (que pode ser o Google Acadêmico) e faça combinações de palavras-chave como “marketing digital+consumidor”, e outras como redes sociais, internet, compras. Todas que combinem com seu tema central.

Vão surgir vários artigos direcionados para você, todos relacionados às palavras pesquisadas. Agora, separe de três a cinco textos e leia o resumo. Se der match com sua pesquisa acadêmica, salve-o, se não, siga sua busca. Com os artigos definidos, cruze as referências deles, identificando autores e obras usadas. Caso, por exemplo, alguém apareça nas cinco monografias, é sinal de que aquele conteúdo é ideal para o que você está produzindo, aumentando seu propósito.

Acima de tudo, é importante definir bem os conceitos do seu TCC antes de sair pesquisando vários livros e artigos. Seguindo esses passos você vai poupar tempo e tornar os processos da pesquisa mais simples. Quer mais dicas como essa? Acesse meu site e confira o video abaixo para saber como produzir o trabalho nota 10 em tempo recorde.

Passe para o lado dos aprovados!

 

 

Abraços,

Professor Amilton Quintela.

Conheça os tipos de pesquisa de um TCC

Uma boa metodologia deve responder a três perguntas: quais são as fontes referenciais (primárias ou secundárias), a sua abordagem (qualitativa ou quantitativa), e por último, mas não menos importante, qual o tipo de pesquisa. E é esse o tema de hoje.

É muito comum que o estudante confunda o tipo de pesquisa com a abordagem dos resultados, e tenha dúvidas entre quantitativa e qualitativa – já tratamos sobre esse tema, leia aqui. Sobretudo, na verdade, existem três tipos de pesquisa: a descritiva, a exploratória e a explicativa. Elas devem ser relacionadas à natureza do trabalho ou ao seu tema definido, buscando a resposta para as suas hipóteses.

Descritiva, Exploratória e Explicativa, qual a diferença?

Primeiramente, as pesquisas descritivas e exploratórias são bastante semelhantes, relacionando uma variável com outra. Por exemplo, a medicina preventiva e a redução de custos hospitalares. É sempre um fator comparado a outro.

Em contrapartida, a pesquisa se torna descritiva quando trata de variáveis mais antigas, com maior conteúdo, corpo teórico desenvolvido e sustentável. A liderança e aspectos motivacionais dos colaboradores é um exemplo, visto que já se explorou não apenas liderança, como também motivação.

Mas sua pesquisa será exploratória, se você utilizar um assunto mais recente, sem grande volume teórico ou estudo prévio. Você pode até partir de uma análise já difundida como gestão de empresa, porém, se fizer isso em um contexto atual, como a pandemia, irá explorar um campo novo.

Já a pesquisa explicativa expõe um conceito muito mais simples, buscando responder perguntas relacionadas a fenômenos. Por exemplo: por que chove mais em determinada região? Ou por que um grupo de pessoas responde a um tipo de tratamento e outro não? Como pode ver, ela é bastante utilizada na área da saúde e agronomia ou geografia.

Qual tipo de pesquisa devo utilizar?

O fato é que, o tipo de pesquisa ideal para o seu TCC vai depender muito do seu tema, da sua proposta, se é recente, antigo ou se explica fenômenos. Depois que definir isso, é só responder suas fontes referenciais e a abordagem da pesquisa para ter uma metodologia completa.

Se tiver mais dúvidas sobre esse tema acesse o site do TCC Sem Drama e venha para o lado de mais de 30 mil alunos aprovados. Também tenho um vídeo sobre esse tema no meu canal do Youtube. Se inscreva por lá e tenha acesso a outras dicas valiosas para montar o trabalho perfeito.

 

 

Abraços,

Professor Amilton Quintela.

Pesquisa qualitativa ou quantitativa: entenda a diferença

Definir a metodologia ideal é essencial para escrever um bom TCC, afinal, todas as suas ideias vão partir do tipo de pesquisa que você utilizar. Dessa forma, surge uma dúvida muito comum dos alunos: Para produzir meu trabalho, qual abordagem devo utilizar? Quantitativa ou Qualitativa? Entenda agora a diferença.

Conheça o seu TCC antes de escolher a sua abordagem

Antes de mais nada, é importante salientar que não existe um tipo ideal. Vai depender muito da sua metodologia, se sua pesquisa será oratória, descritiva ou explicativa e se vai utilizar fontes secundárias que é o material teórico, ou fontes primárias que é o material de campo. Tudo isso é levado em consideração para definir se os resultados serão abordados de forma qualitativa, quantitativa ou também de forma quali quanti – já chegaremos lá.

O que você deve levar em consideração é que, após a pesquisa, você irá expor seus argumentos se sustentando em conceitos, números ou ambos. Caso se baseie em análise de discursos, pesquisas de opinião e conceitos – que serão transformados em resultados e, posteriormente, na análise –, a sua abordagem é qualitativa. Por outro lado, se você se basear em números, dados, vendas, porcentagem, crescimento e outros, a sua pesquisa é quantitativa.

Por exemplo, vamos supor que seu trabalho trata da percepção da qualidade do cliente ao consumir determinado produto. Caso aponte os resultados diante do discurso, percepção ou aquilo que a pessoa entrevistada sentiu, a pesquisa é qualitativa. Mas se falar da qualidade do produto utilizando o número de vendas, é quantitativa. Viu, bem simples.

É possível utilizar as duas pesquisas?

Há também a possibilidade de você se basear tanto no discurso do cliente, como nas vendas para sustentar seus argumentos. Aí ocorre o que se chama de abordagem quali quanti, quando utiliza tanto os conceitos como os números.

O importante é conseguir levantar bons dados, utilizando fontes de credibilidade para que sua pesquisa e argumentos tenham fundamentos interessantes e sustentem sua tese.

Quer saber mais sobre a diferença de pesquisa qualitativa e quantitativa? Vou deixar aqui abaixo o link para um vídeo que preparei para o meu canal no Youtube. Aproveite e se inscreva por lá para receber todas as dicas e produzir um TCC nota 10.

Venha para o lado de mais de 30 mil aprovados!

 

 

Abraços,

Professor Amilton Quintela.

Como começar um TCC do jeito certo e em menos de 10 minutos

 

Uma das dúvidas mais comuns entre os alunos é sobre como começar o TCC. Alguns deles, na verdade, não sabem nem o que é o TCC. E caso você também não saiba, aqui no blog você encontra um artigo falando exatamente sobre isso.

Como começar um TCC do jeito certo

Nunca comece o TCC dessa forma!

 

Para dar o pontapé inicial, a primeira coisa que você precisa saber é que existem duas formas que NÃO são recomendadas para que você inicie o seu trabalho:

 

      1. Pesquisar Referencial Teórico.

 

“Mas Professor Amilton, foi justamente o que o meu orientador me disse!”

Se após a escolha do tema, o seu orientador pedir para que você encontre tudo que existe sobre o assunto, dê um sorriso amarelo e diz para ele que você vai fazer isso, mas, cá entre nós, não faz.

Procurar referencial teórico para um tema amplo, que ainda não foi delimitado, só vai gerar dois resultados: angústia e desperdício de energia.

Ao fazer isso, você reúne muitas informações, dispersando sua atenção e não conseguindo tratar todas elas. Infelizmente, boa parte dos orientadores usa esse recurso para ficar livre do aluno durante um tempo. E o resultado é uma pesquisa absolutamente improdutiva.

Não faça isso! Não comece o seu trabalho pesquisando referencial teórico. Este é um erro gravíssimo que os alunos cometem e, muitas vezes, estimulados por seus orientadores.

 

      2. Escrever de maneira aleatória. 

 

Outra forma não recomendada para começar o seu TCC: escrever de maneira aleatória qualquer parte que seja do seu conteúdo, principalmente a introdução, ou, pior ainda, o resumo.

Nesse caso, também há orientadores que dizem para o aluno: “agora que você já tem o seu tema, escreva um resumo do seu trabalho”. Mas, como é que você irá escrever um resumo, se você ainda nem fez a pesquisa? Afinal, os principais resultados da pesquisa são uma das partes mais importantes do resumo.

Portanto, não pesquise referencial teórico e não comece escrevendo de maneira aleatória.

 

Então…

Como começar um TCC do jeito certo?

 

O que você precisa fazer para começar o seu TCC do jeito certo é montar o que a gente chama de “Estrutura Básica”.

Não adianta você ter um tema amplo, como: sustentabilidade, medicina preventiva, o lúdico na educação, marketing de relacionamento, estruturas sustentáveis…

Dessa forma, não é possível abordar todas as questões sobre o tema. O que você precisa fazer é:

 

  • Delimitar 

 

Não só defina o seu tema, mas delimite o seu tema. Uma coisa é “Marketing de Relacionamento”, outra coisa é:

“Ferramentas de Marketing de Relacionamento para Promover o Engajamento de Consumidores de Cursos e Graduação à Distância”.

Uma coisa é falar sobre “Estruturas Sustentáveis”, outra coisa é escrever sobre:

“Estruturas Sustentáveis e seus Impactos no Orçamento das Obras”.

Percebe a diferença? 😉

No meu canal do Youtube tem alguns vídeos em que eu falo especificamente sobre delimitação de tema.

 

  • Montar uma estrutura que relaciona variáveis 

 

Busque sempre relacionar variáveis no seu tema delimitado. Exemplo: “Marketing de relacionamento + engajamento dos consumidores”, “estruturas sustentáveis + custo da obra”, “brincadeiras e jogos + otimização do processo de aprendizagem”.

Depois que você tem o seu tema delimitado e suas variáveis, você pode construir problema de pesquisa, objetivo geral e objetivos específicos.

 

Problema de Pesquisa

 

O seu problema de pesquisa é uma pergunta feita ao seu tema delimitado. Logo, se o seu tema delimitado é “Marketing de Relacionamento e o Processo de Engajamento de Consumidores”, o seu problema de pesquisa será “Quais os principais impactos do Marketing de Relacionamento no Processo de Engajamento dos Consumidores?”

Uma vez que você tem essa pergunta, ela passa a ser o seu foco de pesquisa.

 

Objetivo Geral

 

Vemos muitos alunos sem conseguir encontrar o seu objetivo geral, mesmo depois de terem definido o seu problema de pesquisa há mais de um mês! Isso só acontece porque a maioria dos orientadores não trabalham sem drama…

Se você tem um problema de pesquisa, você já tem um objetivo geral! 

Vamos pensar no tema exemplificado neste artigo:

“Quais os impactos do Marketing de Relacionamento no Engajamento dos Consumidores?”.

Para ter o seu objetivo geral, basta colocar um verbo na frente e tirar a interrogação:

“Analisar os principais impactos das ferramentas de marketing de relacionamento no engajamento dos consumidores”.

 

Objetivos Específicos

 

Os objetivos específicos, baseados em conceito e técnica, serão etapas para você alcançar o seu objetivo geral. No TCC Sem Drama, recomendo aos meus alunos que eles tenham de três a quatro objetivos específicos, sendo, por exemplo, dois deles conceituais e dois técnicos. Ambos devem estar ligados a seu objetivo geral e problema de pesquisa.

Adaptando a técnica à nossa pesquisa “Marketing de Relacionamento no Engajamento de Consumidores”, devemos:

 

  • Conceituar Marketing de Relacionamento;
  • Conceituar Engajamento dos Consumidores.

 

Afinal, esses são os dois fatores críticos e conceitos-chave do tema.

Logo, os dois primeiros objetivos seriam apresentar e explicar ao seu leitor o que é Marketing de Relacionamento e Engajamento dos Consumidores.

Os outros dois objetivos podem ser direcionados ao seu problema de pesquisa:

– Analisar as principais ferramentas de marketing de relacionamento;

– Relacionar as ferramentas de marketing de relacionamento aos resultados de engajamento (seja para um produto específico ou para uma área específica).

 

Por que começar pela Estrutura Básica?

 

Não é possível trabalhar com tema amplo, pois, como vimos anteriormente, o problema de pesquisa é uma pergunta feita ao tema delimitado; e o objetivo geral é o seu problema de pesquisa com um verbo no início.

Isso responde uma pergunta extremamente crítica e importante para o seu trabalho: o que escrever no seu desenvolvimento? O que escrever nos seus capítulos?

Quando você tem os seus objetivos específicos, isso está resolvido! Pois nos seus capítulos você vai desenvolver esses objetivos específicos. Inclusive você pode ter um capítulo para cada um dos objetivos.

Logo, se você tem por exemplo: “conceituar marketing de relacionamento”, o seu capítulo será “marketing de relacionamento”; “Conceituar engajamento dos consumidores”, capítulo: “engajamento dos consumidores”;  “Analisar as principais ferramentas do marketing de relacionamento”, capítulo: “ferramentas do marketing de relacionamento”… enfim, esses seriam os seus capítulos.

 

A estrutura básica te dá a noção exata de como desenvolver o seu conteúdo, inclusive o seu roteiro de capítulos. Isso acelera muito a sua produção, além de te dar confiança, porque coloca na sua cabeça uma estrutura que você começa a entender de maneira lógica. 

 

E assim, você começa a trocar sofrimento, angústia e medo por confiança, certeza e segurança.

Troca dúvidas por respostas e sofrimento por resultados, assim como fazem os nossos alunos no TCC Sem Drama.

Para saber mais sobre como começar o TCC do jeito certo, confira agora mesmo o nosso material: Guia Definitivo do TCC

O que é o TCC? | Veja por onde começar

Saiba o que é TCC e qual o primeiro passo para atingir a nota 10!

 

Pode parecer meio tola uma explicação sobre o que é o TCC, mas, acredite, não é.

Eu te digo isso porque, ao longo dos dez últimos anos, descobri que a maioria dos alunos que chegam ao meu treinamento não tem ideia do que é um TCC.

O que é o TCC?

No TCC Sem Drama, temos diferentes tipos de alunos, alguns totalmente perdidos e sem nem saber por onde começar. Muitas vezes, sem ao menos ter a noção do que é o TCC, alimentando versões nas suas cabeças, muitas vezes distorcidas. Versões que, geralmente, trazem um terror desnecessário.

Também temos aqueles alunos que trabalham em uma parte específica do TCC, e outros que até já produziram boa parte do trabalho, mas ainda precisam revisar o que fizeram.

A grande questão é que a maioria dos alunos é justamente desse tipo que não tem ideia do que fazer, pois estão absolutamente perdidos, travados. E, por conta disso, ficam angustiados e não conseguem produzir.

Muitas vezes, esses alunos não saem do lugar porque não têm, na sua instituição ou no seu orientador, o amparo necessário, direcionado para que eles realmente possam trocar o sofrimento por produtividade.

 

O que você precisa saber sobre o seu trabalho acadêmico

 

Alunos que não sabem sequer o que é um TCC, acabam escutando versões muito complexas, com muita pompa acadêmica, quando recorrem a seus professores, orientadores ou à instituição em que estudam:

“Ah, o TCC é um trabalho de caráter acadêmico científico voltado para pesquisa e solução de uma questão específica, dentro de uma metodologia…”  Não! O aluno não precisa saber disso! 

O que ele precisa saber é o que ele vai ter que fazer no seu trabalho. E, principalmente, como ele vai fazer.

Vou esclarecer para você o que é um TCC, de maneira muito simples e direcionada, para que não fique nenhuma dúvida, como: ‘”Prof. Amilton, lá na minha instituição não tem TCC, eu vou fazer uma monografia”.

Você vai sim fazer um TCC. Porque, na verdade, TCC é um nome genérico que significa Trabalho de Conclusão de Curso. Não, não é “Tormento de Conclusão de Curso”!

O TCC não é esse monstro que surgiu das trevas para atrasar sua vida, para te atrapalhar, para te fazer sentir mal ou para tomar todo o seu tempo livre. Aliás, os alunos do TCC Sem Drama produzem seus trabalhos em uma média de 27 dias e não abrem mão de todo o seu tempo para isso.

O seu trabalho pode ser muito mais simples do que as pessoas acreditam.

 

O primeiro passo para um TCC mais simples

 

Antes de qualquer coisa, é preciso entender que o seu trabalho acadêmico pode sim ser mais simples. Se você acredita que algo vai ser difícil, você convence o seu cérebro disso. E é aí que tudo fica muito mais difícil mesmo.

O Trabalho de Conclusão de Curso é um nome dado a qualquer trabalho avaliativo que encerra um ciclo. Seja ele sua graduação, pós-graduação, sua especialização, seu mestrado ou doutorado. Para se formar, você precisa fazer um TCC.

Este trabalho assume nomes diferentes, por exemplo: no mestrado, a gente tem a dissertação; no doutorado, temos a tese; na graduação, na pós ou nas especializações, podemos ter artigo ou monografia. Isso acontece porque o TCC é um nome genérico que se refere a qualquer trabalho de conclusão. Inclusive, algumas instituições criam nomes próprios, como: TGA, TFG, entre outros.

 

Existe um modelo pronto de TCC?

 

Tecnicamente falando, não existe um modelo que seja o TCC. Em toda instituição, ele assume uma forma. Podendo este ser um artigo, uma monografia, um relatório de pesquisa, um estudo de caso… A sua instituição precisa escolher um modelo, e dentro daquele modelo, você desenvolve o seu Trabalho de Conclusão de Curso.

A boa notícia é que todos esses trabalhos têm uma estrutura absolutamente comum, que é a divisão em três partes distintas:

 

  1. Introdução (com elementos específicos);
  2. Desenvolvimento (com a sua divisão de capítulos e seções);
  3. Conclusão.

 

A estrutura científica se mantém em todos esses tipos de trabalhos, com alguns pequenos ajustes para cada um deles. Mas, a estrutura científica básica é a mesma.

É por isso que, no TCC Sem Drama, a gente orienta alunos que fazem todos os tipos de trabalho, em todas as áreas de conhecimento e em todos os cursos. Se você vai fazer um artigo, uma monografia, um relatório de pesquisa… sim, você vai fazer um TCC.

 

Espero que tenha ficado claro para você  “O que é o TCC”.

E se você quiser fazer de um jeito fácil, conte com a gente. Acesse a nossa página oficial https://tccsemdrama.com.br/4-0/

Eu te vejo por aqui, do Lado dos Aprovados.